Moçambique mantém diálogo com credores para resolver dívidas ocultas

17 May 2018

O governo mantém um diálogo permanente com os credores internacionais para fazer a dívida pública do país regressar a um nível que seja sustentável, disse quarta-feira o primeiro-ministro Carlos Agostinho do Rosário ao dirigir-se aos deputados da Assembleia da República.

Em resposta às perguntas formuladas pelas bancadas parlamentares (Frelimo, MDM e Renamo), sobre a situação política, económica e social do país, o primeiro-ministro apelou para a necessidade de se continuar a confiar nas instituições da Justiça e de se aguardar também pelo desfecho do processo de esclarecimento em curso.

O ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleiane, afinou pelo mesmo diapasão, ao dizer que o governo continua a tentar renegociar os encargos decorrentes das chamadas “dívidas ocultas”, visando tornar sustentáveis as suas obrigações para com os credores.

Ao fazer um ponto da situação da dívida pública do país, Maleiane informou que o governo não está a honrar o pagamento dos empréstimos comerciais e sindicados, cujo montante ascende a 1859 milhões de dólares, “estando a ser negociada a sua restruturação.”

O ministro da Economia e Finanças adiantou que Moçambique tem estado a pagar regularmente o serviço da dívida externa multilateral e bilateral, bem como a doméstica, tendo desembolsado o equivalente a 217 milhões de dólares em 2017.

Adriano Maleiane disse ainda que a dívida pública externa de Moçambique ascendia a 10,6 mil milhões de dólares no final de 2017 e a dívida pública interna ultrapassou 100,5 mil milhões de meticais (1652 milhões de dólares). (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH