Brasil aumenta tipo de produtos a exportar para a China

21 May 2018

O tipo de mercadorias a serem exportadas pelo Brasil para a China vai ser aumentado, com a inclusão, por exemplo, de arroz, produtos lácteos, farinhas para a produção de rações para animais e ovos fertilizados, disse o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil, citado pela imprensa do país.

O ministro Blairo Maggi, que à frente de uma delegação oficial se reuniu em Pequim com responsáveis da Administração Geral da Supervisão da Qualidade, Inspecção e Quarentena da China, disse ter recebido a garantia por parte de Zou Zhiwu, vice-ministro da Administração Geral das Alfândegas da China, de que será cumprido o compromisso de se avançar nas negociações entre os dois países na Subcomissão de Inspecção e Quarentena da China.

Entre as questões que o Brasil levará para serem tratadas na subcomissão, ainda este ano, estão as exportações de miúdos de suínos e de bovinos, de carnes com osso e carnes processadas, disse Maggi, para acrescentar que o recomeço das negociações só é possível por que o Brasil recebeu o certificado de país livre da febre aftosa pela Organização Mundial de Saúde Animal.”

O ministro lembrou ainda que também deverão ser incluídas nos acordos comerciais a exportação e a importação de fruta e informou que a China pretende exportar pescado para o Brasil.

O Brasil aguarda para o próximo dia 21 a chegada de uma missão veterinária chinesa que vai inspeccionar 84 instalações frigoríficas de aves, carnes de vaca e de burro.

A China é o maior mercado para os produtos agro-pecuários brasileiros, consumindo 39% do total das exportações, que em 2017 atingiram 26 mil milhões de dólares, sendo 20,3 mil milhões respeitantes a soja em grão e 2,6 mil milhões de dólares a celulose.

No mesmo período, o Brasil importou da China bens no valor de 1,1 mil milhões de dólares, principalmente de algodão e produtos têxteis de algodão (288,2 milhões de dólares). (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH