Guiné-Bissau deve iniciar exportação de géneros alimentícios em 2023, prevê embaixador da China

26 June 2018

A Guiné-Bissau, com o apoio da República Popular da China, deverá dentro de cinco anos atingir a auto-suficiência alimentar e iniciar a exportação dos excedentes produzidos, disse o embaixador chinês, em declarações públicas produzidas no passado fim-de-semana.

Jin Hongjun falava ladeado pelo Presidente da República, José Mário Vaz, na visita que efectuaram à localidade de Caliquesse, norte da Guiné-Bissau, onde se projecta instalar um centro de formação agrícola, que contará igualmente com o apoio técnico e pedagógico da China.

O representante do governo chinês no país realçou que, no mínimo, estão reunidas as condições necessárias para a prossecução deste objectivo na Guiné-Bissau, nomeadamente dispõe de uma população jovem, recebe apoios e promessas de mais ajudas da China e tem uma situação climatérica favorável.

O embaixador reiterou ao chefe de Estado guineense a vontade do seu pais em continuar a apoiar a Guiné-Bissau, não só na área da agricultura mas também em outros sectores importantes para fomentar o desenvolvimento do país. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH