Nova política de comercialização de diamantes em Angola vai atrair mais investimentos

29 June 2018

A nova política de comercialização de diamantes, quarta-feira aprovada pelo Conselho de Ministros, vai fomentar a realização de mais investimentos na produção, além de abrir o mercado a todos os interessados, disse quinta-feira em Luanda o ministro dos Recursos Minerais e dos Petróleos.

Diamantino Azevedo, que falava à margem do 1.º Conselho Consultivo do ministério por si tutelado, disse ainda que o documento aprovado pelo governo apresenta como grande alteração à anterior política de comercialização, quando os contratos eram feitos apenas com “clientes preferenciais”, um grupo restrito de empresas que comprava a totalidade da produção.

O ministro disse estar a antecipar o aparecimento de um número maior de empresas interessadas em comprar diamantes de Angola, cujo processo de venda será dirigido pelas próprias empresas mineiras, com a fiscalização da empresa pública Sociedade de Comercialização de Diamantes (Sodiam).

Entretanto, o presidente da Empresa Nacional de Prospecção, Exploração, Lapidação e Comercialização de Diamantes de Angola (Endiama) informou que a receita bruta resultante da venda de diamantes em 2017 atingiu 1100 milhões de dólares, decorrente de uma produção de 9,4 milhões de quilates.

O montante arrecadado resulta da venda de diamantes ao preço médio de 113 dólares por quilate, disse ainda o presidente da Endiama.

A Sociedade Mineira de Catoca contribuiu com 89,22% da produção total, de que 70% foi vendida para os Emirados Árabes Unidos, Hong Kong, Bélgica e Suíça. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH