Banca e seguros em Angola começam a operar em conjunto

13 August 2018

A ligação entre os sectores bancário e segurador, que já acontece em outros países, começa a ser uma realidade em Angola, o que representa uma vantagem na atracção de mais clientes para o mercado de seguros, disse sexta-feira o presidente da Agência Angolana de Regulação e Supervisão de Seguros (Arseg).

Aguinaldo Jaime, ao falar no programa Grande Entrevista da TV Zimbo, adiantou que os bancos comerciais começam a compreender que é positivo manter uma aliança com o sector de seguros, tendo diversas instituições bancárias iniciado já o processo de criação das suas próprias companhias de seguros.

O presidente da Arseg acrescentou que o capital social de 10 milhões de dólares, necessário para a abertura de uma companhia de seguros em Angola, constitui um valor significativo, tendo em conta o contexto de crise que o país atravessa.

Salientou, no entanto, haver empresários angolanos dispostos a aplicar as suas poupanças na criação de novas seguradoras, uma iniciativa que o órgão regulador dos seguros aplaude, por demonstrar confiança no futuro da economia.

A actividade de seguros em Angola existe desde 1922 e no final do período colonial havia 26 seguradoras licenciadas, número que se situa de momento em 27 companhias que operam nos ramos vida e não-vida.

O sector inclui 56 sociedades de mediação e corretagem, 56 sociedades de mediação e corretagem, 399 angariadores de seguros e seis sociedades gestoras de fundos de pensões e três companhias seguros que gerem, em conjunto, 26 fundos, segundo a página eletrónica da Arseg.

A ARSEG está a trabalhar na criação de condições para a entrada em funcionamento, ainda este ano, da Empresa Nacional de Resseguros (AngoRe,), que deverá reter uma boa parte dos riscos que são cedidos ao mercado internacional de resseguro. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH