Notação de risco de Moçambique reflecte perdas incorridas pelos credores

7 September 2018

A notação de risco da dívida soberana de Moçambique (“Caa3”) reflecte as expectativas da Moody’s de que os credores particulares irão sofrer grandes perdas com o facto de o país ter entrado em incumprimento, informou a agência em nota aos investidores.

“O governo de Moçambique deixou de honrar o serviço da dívida para com credores externos particulares, o que representa cerca de 20% da sua dívida, incluíndo a emissão de euro-obrigações com maturidade em 2023”, escreveu Lucie Villa, vice-presidente da agência.

A nota divulgada, que não constitui uma avaliação do risco de crédito, adianta que o não-pagamento dos juros e do capital de instrumentos de dívida do sector privado constitui um incumprimento de acordo com as definições da Moody’s.

“Quer o governo alcance um acordo com os credores particulares sobre a reestruturação da dívida ou continue a não honrar os pagamentos devidos, os credores particulares deverão incorrer em grandes perdas,” pode ler-se.

O documento afirma que a capacidade fiscal de Moçambique é muito baixa devido à elevada dívida pública e à fraqueza da moeda nacional, tendo-se a dívida do sector público situado em 112% do Produto Interno Bruto (PIB) no final de 2017.

A taxa de crescimento do PIB deverá recuperar de forma gradual para cerca de 3,5% em 2018/2019, depois de se ter reduzido entre 2015 e 2017 devido à forte depreciação do metical contra o dólar, redução dos preços das matérias-primas e fracos investimentos no sector dos recursos minerais. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH