Empresas do Brasil vão começar a aproveitar linha de crédito a favor de Angola

14 September 2018

Um sindicato de bancos privados brasileiros liberta dentro de três meses a primeira fatia da linha de crédito de dois mil milhões de dólares aberta pelo Brasil a favor de Angola, anunciou em Luanda o embaixador do Brasil em Angola.

O embaixador Paulino Franco de Carvalho Neto disse ainda ao Jornal de Angola que os desembolsos podem ter como veículo dez empresas brasileiras que manifestaram interesse em investir nos sectores do agro-negócio, infra-estruturas e prestação de serviços de saúde.

O financiamento, recordou, resulta do memorando de entendimento sobre crédito e garantias às exportações assinado em Fevereiro, em Luanda, pelo ministro angolano das Finanças, Archer Mangueira, e pelo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes.

Nos termos do acordo, o Brasil compromete-se a conceder a Angola bens e serviços no valor de dois mil milhões de dólares, com cobertura do seguro de crédito pelo Fundo de Garantia à Exportação.

O diplomata realçou que este financiamento difere do anterior que tinha origem no estatal Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social (BNDES), sendo agora garantido por bancos privados brasileiros que se disponibilizaram a financiar a economia angolana através das empresas daquele país.

Paulino Franco de Carvalho Neto disse também ao jornal que a ideia subjacente à linha de crédito é motivar as empresas brasileiras a instalarem unidades industriais em Angola, principalmente no sector do agro-negócio, a fim de ajudar a solucionar a dificuldade na obtenção de divisas.

As declarações do embaixador do Brasil em Angola foram proferidas à margem do fórum económico sobre “Desenvolvimento do Agro-negócio, Desafios e Perspectivas”, realizado pela Associação de Empresários e Executivos Brasileiros em Angola (Aebran). (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH