Consórcio liderado pela italiana Eni prevê investir mais de US$ 280 milhões em Moçambique

18 October 2018

A italiana Eni e a sul-africana Sasol de assinarem quarta-feira com o governo de Moçambique os contratos de concessão de três blocos para prospecção e pesquisa de petróleo e gás natural.

As duas petrolíferas formaram um consórcio para explorar dois blocos em Temane e Pande, na província de Inhambane, no sul de Moçambique.

A assinatura dos contratos marca o fim das negociações entre as multinacionais e o Governo que duraram cerca de quatro anos.

“Com estes contratos, estão já criadas todas condições para o início de pesquisa de hidrocarbonetos nas áreas PT-5C e A5-A, com investimentos mínimos de US$ 203 milhões da Eni e US$ 80 milhões da Sasol”, indicou Max Tonela, ministro dos Recursos Minerais e Energia.

O ministro lembrou que os investimentos serão feitos num período de oito anos (prazo fixado pela legislação moçambicana de petróleo para fase de pesquisa), renováveis até um máximo de 30 anos.

Stefano Cabonara, director da petrolífera Eni, umas das multinacionais que ganhou um bloco em Angoche e lidera o consórcio nos blocos de Temane e Pande, destacou em declarações públicas a sua forte presença em Moçambique, que iniciou em 2006, com a aquisição de uma participação no bloco petrolífero da área 4, na Bacia do Rovuma. (Macauhub)

 

 

MACAUHUB FRENCH