Angola quer reduzir dependência dos empréstimos da China

17 December 2018

Angola pretende reduzir a sua dependência dos empréstimos da China e diversificar as fontes de financiamento, disse o ministro angolano da Energia e Águas em recentes declarações em Tóquio ao jornal Nihon Keizai Shimbun (Nikkei).

João Baptista Borges disse que o país pretende receber financiamento de outros países ou instituições, a fim de reduzir a dependência da China, que detém cerca de 70% da dívida externa de Angola.

Borges mencionou a aprovação, em Junho passado, da nova Lei do Investimento Privado, para dizer que o país pretende obter investimento e empréstimos do Japão, Europa e Estados Unidos.

A dívida do Estado angolano cifrava-se em Novembro em 69,5 mil milhões de dólares, segundo o director da Unidade de Gestão da Dívida, Walter Pacheco, que adiantou que daquele montante 60% ou aproximadamente 40 mil milhões de dólares corresponde a dívida externa, sendo os restantes 40% ou 30 mil milhões de dólares relativos a dívida interna.

Reconhecendo ser a China “um país especial para Angola”, o ministro adiantou pretender fomentar o relacionamento com o Japão, Europa e Estados Unidos, tendo acrescentado preferir dar prioridade a “países que estejam dispostos a transferir tecnologias e conhecimentos.”

João Baptista Borges referiu que Angola está a trabalhar no sentido de reduzir a sua dependência das exportações de petróleo, para o que é necessário melhorar as infra-estruturas básicas, incluindo a energia eléctrica e o abastecimento de água, a fim de atrair a indústria.

Nas declarações proferidas ao Nikkei, o ministro angolano solicitou a assistência técnica e os investimentos do Japão a fim de ajudar o seu país a construir centrais térmicas, redes de transporte de energia e centrais transformadoras.

O ministro angolano proferiu entretanto uma palestra dirigida a empresários e investidores britânicos em Londres, onde se encontra a convite da “Chatham House”, durante a qual apresentou o plano de acção e as potencialidades do sector de energia e águas em Angola.

A agência noticiosa Angop informou igualmente ter o ministro sido recebido pela ministra de Estado para África e Desenvolvimento Internacional, Harriet Baldwin, participado no Fórum “InvestAfrica” e mantido um encontro com a baronesa Lindsay Northover, enviada especial do Reino Unido para Angola e Zâmbia. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH