Angola deixa de garantir empréstimos com petróleo

28 March 2019

Angola pretende deixar de garantir com petróleo as linhas de crédito abertas em seu favor por países terceiros, em particular da China, Brasil e Israel, disse o Presidente João Lourenço.

O Presidente angolano mencionou particularmente o caso da China, atendendo ao facto de o país ter recebido de instituições financeiras chinesas créditos de muitos milhares de milhões de dólares para a reconstrução do país, uma vez finda a guerra civil.

“A quantidade de petróleo que exportámos para a China foi equivalente à nossa dívida para com o país”, disse João Lourenço em declarações à agência noticiosa russa TASS.

Lourenço sublinhou que o sistema de pagamento dos empréstimos concedidos pela China está desactualizado e acrescentou que o governo pretende alterá-lo.

“Esta alteração acontecerá não apenas com a China mas também com outros países com quem temos a mesma modalidade de amortização dos empréstimos, como sejam o Brasil e Israel”, precisou.

João Lourenço concluiu as suas declarações à agência noticiosa dizendo “vamos pôr termo à utilização do petróleo como garantia para o pagamento das linhas de crédito.”

O embaixador da China em Angola escreveu num texto publicado no Jornal de Angola que o seu país tinha concedido a Angola empréstimos no valor de mais de 60 mil milhões de dólares desde que os dois países estabeleceram relações diplomáticas, a 12 de Janeiro de 1983.

O ministro angolano das Finanças, Archer Mangueira, informou em Setembro de 2018 em Pequim que Angola devia à China 23 mil milhões de dólares. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH