Peste suína na China cria oportunidade para exportadores do Brasil

7 May 2019

O surto de peste suína africana na China e consequente abate dos animais afectados fez com que o governo do país tenha autorizado a importação de gordura comestível de carne de porco do Brasil, noticiou a imprensa brasileira.

A informação, divulgada pelo Presidente Jair Bolsonaro na sua conta no Twitter, adianta ter o governo da China, para suprir a lacuna causada pela peste suína, autorizado os exportadores de carne de porco do Brasil a embarcar também a gordura comestível do animal.

“A medida dá resposta a um pedido apresentado pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA)” escreveu o presidente, que cita a associação para afirmar que a gordura de porco tem um valor de mercado superior ao das carnes tradicionais.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil estima que a China tenha perdido cerca de 30% dos porcos existentes no país em resultado do surto de peste, o que cria uma oportunidade para que os produtores brasileiros aumentem as suas exportações para a China, o maior produtor e consumidor mundial de carne de porco.

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, iniciou segunda-feira uma digressão de 16 dias por quatro países do continente asiático – Japão, China, Vietname e Indonésia, integrando a delegação cerca de 100 empresários, parlamentares e representantes de associações produtoras.

Na China, a ministra irá discutir com as autoridades locais questões relacionadas com a exportação de produtos geneticamente modificados, sumo de laranja e melão, entre outras.

O Brasil tem 79 entrepostos frigoríficos autorizados a exportar carne de porco para a China, tendo as autoridades deste país solicitado recentemente ao ministério brasileiro a lista dos autorizados a vender para a União Europeia, que totalizam 33. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH