Angola gasta demasiadas divisas com a importação de produtos alimentares

23 May 2019

O Banco Nacional de Angola disponibilizou 583 milhões de dólares no primeiro trimestre para a importação de bens alimentares e 198,1 milhões de dólares para a importação de bens e serviços, disse o administrador Pedro Castro e Silva quarta-feira em Luanda.

O administrador que aqueles montantes despendidos em apenas três meses exercem um peso significativo sobre as reservas internacionais líquidas, particularmente tendo em conta a tendência de declínio que se verifica, segundo a agência noticiosa Angop.

Pedro Castro e Silva, que falava numa conferência organizada pelo banco central sobre o tema “A sustentabilidade das reservas internacionais”, referiu que o recurso a divisas pode vir a ser reduzido se o país apostar na produção interna e na diversificação da economia.

O peso da agricultura no Produto Interno Bruto de Angola ascende a 6,2%, muito reduzido se comparado com outros países africanos, casos da África do Sul, com 16%, Nigéria com 21% e Moçambique com 22%.

O administrador socorreu-se deste último país como exemplo, tendo afirmado que Angola importou em 2015 bens alimentares no valor de três mil milhões de dólares enquanto a factura de Moçambique foi de apenas 200 mil dólares.

As reservas brutas sobre o exterior de Angola estão estimadas em 16 mil milhões de dólares, enquanto as reservas líquidas são de cerca de 10 mil milhões de dólares, sendo que grande parte está aplicada em títulos do Tesouro dos Estados Unidos e depósitos a prazo e à ordem. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH