Citibank pretende regressar a Angola

12 June 2019

O Citibank informou o Banco Nacional de Angola que pretende regressar ao país, cerca de 16 anos após ter encerrado o escritório de representação em Luanda, escreveu o jornal angolano Valor Económico.

A justificar o interesse, prossegue o jornal citando fontes conhecedoras da negociação, está, entre outros, a pressão das empresas petrolíferas junto dos parceiros financeiros e as dificuldades nos pagamentos para operações em dólares.

Um sinal concreto desta intenção foi a participação de quadros superiores do Citibank na conferência Angola Petróleo e Gás 2019, evento que decorreu em Luanda de 4 e 6 de Junho corrente.

O governador do banco central angolano anunciou na passada semana a chegada a Luanda ainda este mês de uma delegação da Reserva Federal dos Estados Unidos da América para averiguar se as autoridades angolanas aplicaram as medidas necessárias para que Angola volte a contar com a correspondência bancária do sistema bancário norte-americano.

A falta de acesso a dólares levou o banco central angolano a efectuar os seus leilões em euros, que passou a servir de referência para determinar a cotação do kwanza face a um cabaz de moedas, incluindo o dólar.

O governador recordou essa realidade, quando entre 2015 e 2016 os correspondentes bancários em moeda norte-americana deram por finda a relação com o sistema bancário angolano, mas garantiu que isso está a ser “ultrapassado” com a recuperação da confiança.

O sistema bancário angolano conta com apenas três escritórios de representação de bancos estrangeiros, Commerzbank, da Alemanha, e Firstrand Bank e NedBank, ambos da África do Sul.

Caso as negociações com a Reserva Federal dos EUA decorram a bom ritmo, é igualmente esperado o regresso ao sistema financeiro angolano do Bank of America e do maior banco alemão, o Deutsche Bank. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH