ENH de Moçambique garante obtenção de financiamento para projecto de gás natural em Setembro

8 August 2019

O contrato de financiamento de 2,0 mil milhões de dólares deverá ficar concluído em Setembro, disse quarta-feira em Maputo o presidente do Conselho de Administração da Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH) de Moçambique.

Omar Mithá falou sobre o empréstimo durante uma aula aberta aos estudantes de licenciatura, mestrado e doutoramento na área de Ciências Naturais e Matemática da Universidade Maputo, a antiga Universidade Pedagógica, sobre o tema “Petróleo e Gás: Perspectivas sócio-económicas.”

A ENH solicitou ao governo de Moçambique, em 2018, a concessão de uma garantia soberana para contrair um empréstimo para financiar a sua participação no projecto do gás natural da Área 1, da bacia do Rovuma, cujas obras de construção da unidade de liquefacção tiveram início segunda-feira.

Em Julho passado, a empresa anunciou ir esperar por melhores dias ou condições para se financiar nos mercados internacionais, uma vez que irá necessitar de um aval do Estado, que no passado foram concedidos em situação ilegal a duas empresas públicas controladas pelos serviços secretos.

“Cremos que o governo vai esperar até que uma eventual reestruturação da emissão de euro-obrigações [da Empresa Moçambicana de Atum] possa ser anunciado, o que iria melhorar as condições actualmente exigidas à ENH”, pode ler-se em recente relatório sobre Moçambique da Economist Intelligence Unit.

O grupo Anadarko Petroleum Corporation opera em Moçambique, através da sua subsidiária controlada a 100% Anadarko Moçambique Área 1, Ltd o bloco Área 1 da bacia do Rovuma, com 26,5%, onde tem como parceiros a ENH Rovuma Área Um, subsidiária da estatal moçambicana Empresa Nacional de Hidrocarbonetos, com 15%, Mitsui E&P Mozambique Area1 Ltd. (20%), ONGC Videsh Ltd. (10%), Beas Rovuma Energy Mozambique Limited (10%), BPRL Ventures Mozambique B.V. (10%) e PTTEP Mozambique Area 1 Limited (8,5%). (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH