São Tomé e Príncipe assina Compacto Lusófono

O governo de São Tomé e Príncipe assinou com o Banco de Desenvolvimento Africano e com Portugal o chamado Compacto Lusófono, que visa apoiar projectos de desenvolvimento, no decurso de uma cerimónia quinta-feira realizada em São Tomé.

O documento foi assinado pelo ministro das Finanças, Osvaldo Vaz, pelo representante da instituição bancária, Joseph Ribeiro e pelo embaixador de Portugal em São Tomé e Príncipe, Luís Gaspar da Silva.

Joseph Ribeiro disse que o acordo dá acesso a financiamentos do Banco de Desenvolvimento Africano, combinados com garantias da Sociedade para o Financiamento do Desenvolvimento, entidade pública portuguesa.

O representante do banco disse que o financiamento visa “proporcionar o comércio inter-regional, acelerar a industrialização, criar mais emprego, atrair investimento directo estrangeiro, criando oportunidades para pequenas e médias empresas.”

Apelando aos investidores e às empresas que operam no arquipélago para fortalecerem os seus projectos no âmbito deste acordo, o embaixador de Portugal disse que o acordo visa “promover o crescimento económico e, consequentemente, contribuir para a melhoria de condições de vida da população.”

Além de considerar “um momento de assinalável importância” para se endereçar um desafio ao sector privado, o ministro são-tomense das Finanças, Osvaldo Vaz, disse que “nasce a oportunidade para diversificar a economia, gerar emprego e bem-estar colectivo.”

São Tomé e Príncipe segue-se a Moçambique, Cabo Verde, Angola e Guiné-Bissau que já assinaram este Compacto acordado em 2017 entre o Banco de Desenvolvimento Africano e Portugal, que atribui prioridade a projectos de energias renováveis, abastecimento de água, agro-negócios, saneamento, infra-estruturas e turismo. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH