Comércio entre o Brasil e a China em queda de Janeiro a Agosto

18 September 2019

Os dados relativos às trocas comerciais entre o Brasil e a China de Janeiro a Agosto apontam para uma queda expressiva do seu valor ao longo do ano de 2019, escreveu a equipa redactorial da Comex-DF.

O comércio entre os dois países atingiu 93,13 mil milhões de dólares em 2018, segundo dados brasileiros (e 110 mil milhões de dólares segundo dados chineses), com exportações brasileiras no valor de 63,93 mil milhões de dólares e importações de produtos chineses no montante de 34,74 mil milhões de dólares, proporcionando um saldo positivo de 29,2 mil milhões de dólares favorável ao Brasil.

As exportações brasileiras para a China registaram uma queda de 2,28% de Janeiro a Agosto para 45 532 milhões de dólares e as importações de produtos chineses contraíram-se 2,26% para 23 736 milhões de dólares, fazendo com que o saldo comercial positivo favorável ao Brasil tenha caído para 17 796 milhões de dólares.

José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), disse à Comex que os números já disponíveis e se bem que referentes a apenas oito meses do ano apontam para o que qualificou de “excedente comercial triplamente negativo”, uma vez que será obtido com quedas nas exportações, nas importações e no próprio saldo comercial.

O presidente da AEB disse ainda ver com preocupação a queda constante no fluxo de comércio com a China e a redução drástica no excedente comercial e lançou um alerta – “o aumento da competitividade é fundamental para o Brasil reduzir a dependência das vendas para a China, uma vez que a economia chinesa está a desacelerar.”

Não obstante a contracção verificada este ano, a China continua a ser o principal parceiro comercial do Brasil, tendo sido responsável no período de Janeiro a Agosto por 27,9% das exportações e por 20,3% das importações brasileiras.

Dados da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia apontam par uma queda de 3,2% nas exportações de matérias-primas, que proporcionaram este ano uma receita de 36,75 mil milhões de dólares (participação de 88,5% nas vendas à China) e uma retracção de 15,1% nos embarques de produtos da indústria transformadora, que tiveram uma participação de apenas 1,92% no total exportado, no valor de 799 milhões de dólares. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH