Empresas da China constroem barragens de retenção de água em Angola

16 October 2019

A construção de barragens de retenção, sistemas de captação de água e canais adutores na província do Cunene terá início nos próximos dias, anunciou terça-feira, em Luanda, o Presidente de Angola.

João Lourenço, ao efectuar um discurso sobre o Estado da Nação, na Assembleia Nacional, disse que se trata de um projecto inserido no plano de emergência para combater os efeitos da seca naquela zona do país, segundo a agência noticiosa Angop.

A empreitada, dividida em seis lotes, compreende a construção do sistema de captação no rio Cunene, bombagem, conduta pressurizada, canal aberto desde a localidade de Cafu ao Cuamato e mais 10 chimpacas, nome dado em Angola a pequenos depósitos ou reservatórios de água.

O primeiro lote, no valor de 65,70 milhões de dólares, foi adjudicado à empresa Sinohydro Angola, tendo o segundo, com um custo de 70,47 milhões de dólares, sido igualmente atribuído a esta empresa.

O terceiro lote foi entregue ao consórcio constituído pelas empresas Omatapalo – Engenharia e Construção e a Mota-Engil Angola, indo custar ao Estado angolano 177,38 milhões de dólares.

O lote quatro foi adjudicado à China Road & Bridge Corporation pelo valor de 62,94 milhões de dólares, o lote cinco foi adjudicado à Sinohydro Angola pelo valor de 192,55 milhões de dólares.

O último lote foi adjudicado à empresa Guangxi Hydroelectric Construction Bureau (GHCB) pelo valor de 192,55 milhões de dólares.

O despacho presidencial com data de 4 de Outubro terça-feira publicado no Diário da República recorda que os recentes ciclos de seca naquela província do sul de Angola tiveram um impacto negativo sobre os sectores de subsistência primários e afectaram as actividades agrícola e pecuária e os recursos hídricos. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH