Governo de Angola pretende utilizar parte da receita com a venda de empresas no pagamento de atrasados

18 October 2019

Uma parte da receita a ser obtida com o programa de privatizações em curso vai ser utilizada para proceder à regularização das dívidas do governo central, disse a nova ministra das Finanças de Angola, Vera Daves, em declarações proferidas quarta-feira em Washington na sua primeira conferência de imprensa.

A ministra disse ainda que uma outra parte irá ajudar a financiar as infra-estruturas necessárias para que as empresas que estão a ser privatizadas funcionem sem obstáculos em sectores como energia, transportes e águas e que a terceira parte terá como destino financiar a reestruturação de algumas dessas empresas, que não estão em condições de ser vendidas tal como se encontram.

“Trata-se de empresas que exigirão ainda um financiamento para a sua reestruturação, como sejam a sua legalização jurídica, avaliação patrimonial e organização da contabilidade”, disse Vera Daves, que se deslocou à capital dos Estados Unidos para participar nas reuniões anuais do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional, segundo o Ministério das Finanças de Angola.

Vera Daves disse que o programa de privatizações em curso “é ambicioso e vai beneficiar o país, uma vez que vai mobilizar o sector privado para o crescimento da economia”e acrescentou que as 195 empresas em questão estão fundamentalmente divididas em dois subgrupos – um de empresas e activos que estão ociosos ou mesmo parados ou de empresas que laboram abaixo do seu potencial, não empregam muitos trabalhadores e não produzem grande coisa, além de não gerarem lucros para si próprias nem receita fiscal para o Estado.

Há depois um outro subgrupo de empresas que funcionam, algumas das quais com dimensão relevante, disse ainda, para acrescentar que não obstante constarem do programa de privatizações não vão obrigatoriamente ser vendidas na totalidade, podendo a quantidade de capital a alienar ser de 5,0%, 10% ou 50%.  (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH