Parceria azul entre a China e os países de língua portuguesa debatida em Pequim

Uma parceria azul entre a China e os países de língua portuguesa esteve quinta-feira em debate na Universidade de Economia e Negócios Internacionais (UIBE), em Pequim, num encontro que reuniu cerca de 200 pessoas, entre especialistas, académicos, diplomatas e empresários.

O primeiro embaixador da China na Organização Mundial do Comércio e ex-vice-ministro chinês do Comércio, Sun Zhenyu, disse que, no âmbito do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau), é possível uma construção conjunta da Rota da Seda Marítima no Século 21, na qual é promovida a utilização de recursos marinhos e o desenvolvimento de indústrias marinhas emergentes.

O objectivo, prosseguiu Sun, é acelerar a industrialização e aprofundar a cooperação da capacidade produtiva, impulsionando a cooperação na construção de infra-estruturas com base num bom inter-relacionamento.

O embaixador da Guiné-Bissau na China, Malam Sambu, disse que o seu país sempre considerou a China como um parceiro prioritário e adiantou esperar aprofundar ainda mais a cooperação de benefício mútuo em busca de sinergias entre as estratégias de desenvolvimento de ambos.

O evento, subordinado ao tema “Parceria azul entre a China e os países de língua portuguesa: fortalecer o comércio e o investimento, promover a cooperação da capacidade produtiva”, foi organizado conjuntamente pelo Centro Chinês de Estudos dos Países de Língua Portuguesa (CCEPLP) da UIBE e pelo Instituto Internacional de Macau (IIM).

No mesmo encontro teve lugar a cerimónia de lançamento do Relatório de Desenvolvimento dos Países de Língua Portuguesa (2017-2018), que se centra nos mais recentes desenvolvimentos ocorridos naqueles países, servindo ainda como uma referência para a tomada de decisões e o planeamento de investimentos das empresas. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH