Governo português define preço das acções a vender em banco de Cabo Verde

5 December 2019

O preço das acções e a selecção dos interessados no processo de venda das participações da Caixa Geral de Depósitos no cabo-verdiano Banco Comercial do Atlântico vão ser definidos pelo secretário de Estado das Finanças de Portugal, por delegação do ministro das Finanças, segundo um comunicado oficial divulgado em Lisboa.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, delegou poderes no secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, para “definir o preço unitário de alienação das acções, proceder à selecção dos interessados que integram cada uma das fases do processo, bem como aprovar as minutas dos instrumentos jurídicos” previstas na lei, estabelece o despacho oficial.

A venda da participação da CGD no banco cabo-verdiano BCA foi publicada em Diário da República a 27 de Setembro, através de um decreto-lei em que se afirmava que “a alienação do Banco Comercial do Atlântico não prejudica a estratégia da presença internacional da CGD em Cabo Verde, que continuará a ser assegurada através do Banco Interatlântico, que tem origem na transformação da anterior sucursal da CGD em Cabo Verde num banco de direito local.”

O diploma acrescentava que a actividade do Banco Interatlântico, onde o grupo português detém uma participação de 71%, vai ficar “inalterada, em especial no que respeita à sua função de apoio à internacionalização” das empresas portuguesas.

A venda das operações da CGD em Cabo Verde, Espanha, África do Sul e Brasil foi acordada com a Comissão Europeia, em 2017, no âmbito da recapitalização do banco público. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH