260 cooperativas licenciadas em Angola em 2019 para a prospecção de diamantes

15 January 2020

A Empresa Nacional de Prospecção, Exploração, Lapidação e Comercialização de Diamantes de Angola (Endiama) licenciou 260 cooperativas em 2019 para o exercício da actividade de exploração semi-industrial de diamantes, disse em Luanda o presidente do conselho de administração.

José Manuel Ganga Júnior disse ainda estar em curso um conjunto de medidas regulamentares e técnicas destinadas a promover a evolução destas cooperativas para a escala industrial, pretendendo-se que dentro de dois anos as cooperativas evoluam para a condição de pequenas empresas.

O presidente da Endiama adiantou que antes da Operação Transparência, levada a cabo em 2018 pelo Ministério do Interior, existiam mais de 700 pequenos prospectores de diamantes, sendo que após a sua conclusão, em 2019, apenas 260 reuniram os requisitos necessários para continuar a prospecção mineira.

“Porém, nem todas as cooperativas que receberam licença de exploração começaram já a produzir”, disse Ganga Júnior, para referir que os produtores independentes, “aqueles que cavam no seu quintal à procura de diamantes, são para esquecer.”

A produção das cooperativas que iniciaram a actividade em 2019 ascendeu a 35 856 quilates, vendidos na totalidade à Empresa Nacional de Comercialização de Diamantes de Angola (Sodiam) “para evitar o tráfico de diamantes”, disse.

José Manuel Ganga Júnior disse ainda estar a ser ponderada a criação de um organismo para permitir que o processo de negociação do preço envolva um avaliador independente, um avaliador do vendedor e um do comprador, de modo a encontrar um ponto de equilíbrio, muito perto do preço praticado internacionalmente. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH