Plataforma flutuante que irá processar gás natural extraído em Moçambique foi lançada ao mar

15 January 2020

A plataforma flutuante que vai recolher e processar o gás natural a ser extraído no bloco Área 4 da bacia do Rovuma, norte de Moçambique, foi lançada ao mar terça-feira, em cerimónia testemunhada por representantes do Estado moçambicano e das empresas envolvidas no projecto, noticiou a imprensa moçambicana.

A plataforma, cujo lançamento ao mar teve lugar no estaleiro naval da Samsung Heavy Industries, na cidade industrial de Busan, na Coreia do Sul, onde se encontra a ser construída desde Setembro de 2018, deverá chegar a Moçambique no final de 2021 para no ano seguinte iniciar a produção de gás natural liquefeito.

Com um comprimento de 430 metros e 66 de largura, a plataforma entrou para o mar com um peso estimado de 140 mil toneladas, que mais tarde serão acrescidos por 12 módulos de produção e processamento de gás com cerca de 60 mil toneladas e ainda um complexo residencial com capacidade para albergar 350 trabalhadores.

Todos estes componentes estão a ser produzidos nos estaleiros navais da Samsung Heavy Industries, em Busan, mas a plataforma deverá mais tarde ser ligada a outras unidades que estão a ser fabricadas em Singapura, França, Itália ou mesmo nos Estados Unidos da América.

A plataforma flutuante Coral FLNG é uma das maiores do mundo e será a primeira a fazer a liquefacção do gás extraído em águas profundas, a cerca de dois mil metros, indo ficar ancorada a cerca de 50 quilómetros da costa da península de Anfugi, na província de Cabo Delgado.

O Bloco Área 4 tem como operadores a Mozambique Rovuma Ventures, uma parceria detida pelos grupos ExxonMobil, ENI e China National Petroleum Corporation, que em conjunto controlam 70% da participação, estando os restantes 30% divididos em partes iguais entre os grupos português Galp Energia, o sul-coreano Kogas e a estatal moçambicana Empresa Nacional de Hidrocarbonetos. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH