Défice comercial de Cabo Verde agrava-se 4,4% em 2019

6 February 2020

O défice da balança comercial de Cabo Verde aumentou 4,4% em termos homólogos em 2019 ao ter-se situado em 72 230 milhões de escudos (722 milhões de dólares), contra 69 195 milhões de escudos em 2018, informou o Instituto Nacional de Estatística do arquipélago.

O défice contabilizado no ano passado ficou a dever-se ao facto de as exportações as exportações nacionais terem sofrido uma quebra de 14,0% para 6071 milhões de escudos e as importações terem crescido 2,7% para 78 301 milhões de escudos.

Em consequência, a taxa de cobertura das importações pelas exportações perdeu um ponto percentual e meio ao ter passado de 9,3% em 2018 para 7,8% em 2019.

Em 2019, a Europa continuou a ser o principal comprador de produtos de Cabo Verde, tendo adquirido 96,4% do total das exportações do arquipélago, que se concentraram em preparados e conservas de peixe (com 60,7% do total), peixes, crustáceos e moluscos (16,2%) e vestuário com 10,6%.

No âmbito da União Europeia a Espanha manteve-se com o principal importador de produtos cabo-verdianos, com 77,5% do total das exportações, seguida de Portugal com 18,0%.

A Europa foi igualmente o principal fornecedor de mercadorias a Cabo Verde, com 79,6% do total, seguida da Ásia/Oceânia com 101,%, América com 6,2%, Resto do Mundo com 2,1% e África com 2,0%.

Portugal liderou em 2019 os principais fornecedores do arquipélago, com 42% do total, seguido dos Países Baixos com 12,5% e de Espanha com 10,5%.

Os principais produtos importados por Cabo Verde em 2018 foram combustíveis, com 11,8%, reactores e caldeiras com 7,5%, veículos automóveis com 6,4% e máquinas e motores com 5,9%. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH