Fábricas têxteis a privatizar em Angola vão a consulta pública

11 March 2020

A privatização das três fábricas têxteis construídas com fundos públicos nas províncias de Luanda, Cuanza Norte e Benguela vai a consulta pública no dia 18 de Março corrente, numa iniciativa do Instituto de Gestão dos Activos e Participações do Estado (IGAPE).

As unidades têxteis que vão a concurso são as fábricas Nova Textang II (Luanda), África Têxtil (Benguela) e Satec (Cuanza Norte), em cuja recuperação o governo de Angola despendeu 1,2 mil milhões de dólares ao abrigo de um acordo assinado com o banco japonês JBIC, sendo 251 milhões de dólares para a Nova Textang II e 420 milhões de dólares cada para a África Têxtil e Satec.

A Nova Textang e  as outras unidades  foram  privatizadas em 2013 pelo Ministério da Indústria, através do Instituto de Desenvolvimento Industrial de Angola, num concurso público que o Ministério da Indústria não tinha competência para fazer, devido ao valor dos investimentos.

As unidades têxteis encontram-se inoperantes, incluindo a Textang II, com uma capacidade de produção anual de nove milhões de metros lineares de tecido.

O comunicado divulgado em Luanda informa ainda que o IGAPE tem em agenda para o dia 19 de Março a consulta pública sobre a privatização de quatro empreendimentos agro-pecuários.

Os empreendimentos são o Camaiangala (Moxico), Longa (Cuando Cubango), Sanza Pombo (Uíge) e Cuimba (Zaire), com uma área de aproximadamente 45 mil hectares e um valor estimado em 110 milhões de dólares. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH