Economista defende que Angola deve começar a preparar a renegociação da dívida pública

19 March 2020

O governo de Angola deverá começar a preparar a renegociação da dívida pública junto dos credores nacionais e estrangeiros devido à queda dos preços do barril de petróleo nos mercados internacionais, defendeu um economista angolano citado pelo Jornal de Angola.

O economista Precioso Domingos, professor na Universidade Católica de Angola, disse ao jornal que embora não se trate do melhor momento para proceder a essa renegociação, atendendo a que face aos baixos preços do petróleo a margem de negociação fica reduzida, “não haverá muitas saídas, porquanto o petróleo é a principal moeda de troca apresentada.”

Desde segunda-feira que o preço do barril de Brent, que serve de referência ao petróleo exportado por Angola, ronda 30 dólares, estando actualmente a ser negociado à volta de 28 dólares.

As estimativas das agências internacionais apontavam no início do ano para um preço de estabilidade em torno de 55 dólares, sendo também esta a referência adoptada pelo governo angolano para elaborar o Orçamento Geral do Estado para 2020.

A epidemia de coronavírus, Covid-19, juntou-se aos desentendimentos entre a Rússia e a Arábia Saudita sobre eventuais cortes na oferta dos países e abriu portas a uma crise de preços do produto.

As estimativas mais recentes apontam para que 700 milhões de barris/dia deixem de ser produzidos, redução que mesmo assim não seré suficiente para estimular os preços, uma vez que a procura também regista queda significativa devido à paralisação de várias economias.

A ministra das Finanças de Angola, Vera Daves, disse no início do mês ser ainda “prematuro ponderar qualquer cenário de revisão do Orçamento de Estado para 2020”, apesar da volatilidade dos preços do petróleo extraído no país nos mercados internacionais. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH