China “determinada e deliberada” no futuro da relação com países de língua portuguesa

14 January 2013

Países como Angola e o Brasil tornaram-se “vitais para a prosperidade” da China, país que vai continuar a investir de forma “determinada e deliberada” nas relações com o mundo de língua portuguesa, afirma o investigador Loro Horta.

Na tese de mestrado “As Relações da China com os Países de Língua Portuguesa: Uma Relação Crescente mas Ignorada”, para a Naval Postgraduate School norte-americana, Horta sublinha que o mundo de língua portuguesa tem vindo a ganhar importância para a China na segurança energética e mercados, atingindo um nível “vital” no caso de Brasil e de Angola.

“Como tal, a China vai continuar a investir na relação de maneira deliberada e determinada”, refere o investigador no trabalho defendido em Monterrey, Califórnia, em Setembro de 2012 e que o macauhub teve acesso.

O caso do mundo de língua portuguesa, adianta, “atesta da crescente sofisticação das políticas externa e económica chinesas e desafia as explicações simplistas sobre a presença da China no mundo em desenvolvimento”.

O comércio entre a China e os países de língua portuguesa registou um aumento 9,7% entre Janeiro e Novembro face a igual período de 2011 para 117,7 mil milhões de dólares, de acordo com os dados mais recentes das alfândegas chinesas.

Nos primeiros 11 meses do ano, a China comprou aos oito países de língua portuguesa mercadorias no valor de 80,5 mil milhões de dólares, um acréscimo homólogo de 11,86% e vendeu bens cujo valor ascendeu a 37,1 mil milhões de dólares, um acréscimo de 5,31%.

O Brasil manteve-se como o principal parceiro económico da China de entre os oito de língua portuguesa, com um volume de trocas comerciais de 78,1 mil milhões de dólares, mais 0,66% do que em 2011.

Já com Angola, o segundo parceiro chinês no mundo de língua portuguesa, o comércio registou um aumento de 37,73% até Novembro para 34,57 mil milhões de dólares, com vendas à China de 30,87 mil milhões de dólares, mais 36,73%, e compras de 3,70 mil milhões de dólares, mais 46,72% face a igual período de 2011.

No estudo, Loro Horta sublinha que a relação com o Brasil é hoje das mais importantes para a China e que, apesar de “tensões”, deverá continuar a expandir-se, baseada no pragmatismo.

Se no caso de Angola, o interesse da China se baseia em recursos naturais, sobretudo o petróleo, e a relação passa por cultivar a proximidade com as elites políticas e não pela criação de grande número de postos de trabalho, o sucesso dos negócios chineses em Cabo Verde, país democrático e pobre em recursos, é o oposto.

“Os negócios chineses são capazes de se adaptar a numerosas circunstâncias e mostram uma sofisticação muitas vezes incompreendida”, adianta o investigador.

Também em Moçambique, os investimentos chineses estão a criar cada vez mais empregos a nível local, resultado de ressentimentos iniciais e de uma subida dos custos laborais na China.

A África de língua portuguesa, refere, demonstra que o investimento chinês vai além da extracção de recursos, incluindo turismo, agricultura e banca, “desafiando muitos dos preconceitos iniciais sobre a China em África”, pela sua natureza diversa.

Também “evidente” nestes casos é que a China “tem uma abordagem de longo prazo às suas relações com o mundo de língua portuguesa e que os seus diplomatas e homens de negócios são muito pacientes e persistentes”.

De origem timorense e formado pela Universidade de Defesa Nacional do Exército de Libertação do Povo (China), Loro Horta viveu largos anos em Moçambique, colaborando actualmente com diversos centros de investigação em todo o mundo. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH