Empresa da China reforça participação na exploração de depósitos de grafite em Moçambique

14 October 2019

A empresa mineira Jinan Hi Tech vai ajudar a reforçar a presença da China na extracção e processamento de grafite em Moçambique ao ter sido autorizada pela Comissão Nacional do Desenvolvimento e Reforma da China a comprar uma participação de 34,01% na empresa australiana Triton Minerals.

A aquisição daquela parcela do capital social da empresa australiana pela soma de 19,5 milhões de dólares australianos, anunciada no final de Junho, “é um grande apoio à parceria da Jinan Hi-Tech com a Triton Minerals para desenvolver o projecto de nível mundial de grafite de Ancuabe”, segundo o comunicado divulgado em Perth.

A Triton Minerals informou ainda prever que as condições para a conclusão do negócio fiquem reunidas nas próximas semanas, sendo que a aprovação por aquela Comissão facilita a autorização a ser concedida pelo Ministério das Finanças da China para a transferência dos capitais envolvidos na aquisição.

Conforme informação divulgada aquando da conclusão do acordo, a Jinan Hi-Tech irá adquirir, numa primeira fase, a participação de 19,3% da igualmente chinesa Shandong Tianye Mining na Triton Minerals ao preço unitário por acção de 6,2 cêntimos ou total de 11 milhões de dólares australianos.

A segunda fase consistirá numa emissão reservada à Jinan Hi-Tech de 207,3 milhões de acções da Triton Minerals ao preço unitário por acção de 4,1 cêntimos ou total de 8,5 milhões de dólares australianos.

Esta entrada de capital vai permitir à Triton Minerals iniciar o desenvolvimento do projecto de Moçambique, com o empreiteiro que vai elaborar e projecto de engenharia, aquisição de componentes e construção (EPC, na sigla em inglês) a começar os trabalhos.

A Triton Minerals assinou em Setembro de 2018 um contrato de EPC com a empresa chinesa MCC International Incorporation para construir as instalações e infra-estruturas do projecto de exploração de grafite de Ancuabe.

O projecto contém depósitos de grafite estimados em 3,04 milhões de toneladas, tendo o estudo definitivo de viabilidade económica determinado que a concessão pode produzir 60 mil toneladas de concentrado de grafite por ano durante um período de 27 anos.

Este ano, a Triton Minerals assinou um memorando de entendimento com a empresa chinesa Qingdao Jinhui Graphite Co. Ltd, contemplando investimento no projecto de Ancuabe, concessão de financiamento adicional através de dívida ou de aquisição de equipamento, a compra de um máximo de 15 mil toneladas de concentrado de grafite por ano e colaboração técnica para adicionar valor através do fornecimento de grafite às empresas chinesas de refractários e de baterias.

Em Julho de 2018, a empresa australiana já havia assinado uma carta de intenções com a MCC International Incorporation Limited (MCC), a empresa para os negócios no estrangeiro do grupo Metallurgical Corporation of China Ltd, para vir a assinar um contrato de elaboração de projecto de engenharia, aquisição de componentes e construção (EPC) na concessão para a exploração de grafite em Ancuabe, norte de Moçambique.

O mercado chinês tem vindo a assumir crescente importância para outro projecto de extracção de grafite, em Balama, na província de Cabo Delgado, que tem como operadora a australiana Syrah Resources.

Ao abrigo de um recente acordo com a intermediária Gredmann, desde este ano e até 2021 a mina de Balama irá fornecer à China 9000 toneladas por mês de grafite, num total de 279 mil toneladas de grafite de Moçambique.

A Syrah Resources já havia assinado um contrato vinculativo com a empresa chinesa Qingdao Langruite Graphite para fornecer 48 mil toneladas de grafite a extrair na mina de Balama, e também com a Qingdao Freyr Graphite Co., Ltd. (6000 toneladas de grafite ao longo dos próximos 12 meses). (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH