Transportes marítimos de Cabo Verde despertam interesse chinês

26 March 2018

O concurso internacional público de concessão de transporte marítimo de passageiros e carga inter-ilhas despertou o interesse de um armador chinês, entre empresas congéneres portuguesas, cabo-verdianas e de outros países, segundo o Africa Monitor Intelligence.

De acordo com o boletim de informação estratégica, a China Marine Service Company encontra-se entre as empresas que apresentam proposta e foram admitidas ao concurso, que conta ainda com a Transinsular SA/ Transinsular Cabo Verde.

Outras propostas foram as dos consórcios Palm Shipping Lines/Tschudi Ship Management; Moura Company; Polaris; CV Line Transporte Marítimo; West África Shipping Line/ ANEC Lines SA/ Marlow Navigation CO e Cabo Verde Fast Ferry.

O Africa Monitor adianta que a 05 de Março, no Ministério das Finanças, Praia, teve lugar o acto de abertura de manifestações de interesse para o concurso internacional,

Entretanto, uma das concorrentes excluídas a Palm Shipping Lines/Tschudi Ship Management recorreu da exclusão, à Autoridade Reguladora das Aquisições Públicas (ARAP), o que implica a paragem do processo.

O concurso limitado por prévia qualificação prevê que, na primeira fase, os interessados submetam as suas manifestações de interesse e, numa segunda fase, serão convidados a apresentar as suas propostas técnicas e financeiras.

A concessão será atribuída através de um concurso público internacional, “competitivo e transparente”, seguindo as regras de contratação pública.

A concessão deve ser de, pelo menos, 20 anos, tendo em vista cumprir o serviço público, nomeadamente nas linhas Praia/Fogo/Brava, Praia/Maio, Praia/Boa Vista, Praia/Sal, Sal/São Vicente, Praia/São Nicolau e São Vicente/São Nicolau/Boa Vista.

Segundo dados do International Trade Center, a China é o único dos cinco principais fornecedores cabo-verdianos que não pertence à União Europeia, com uma quota de 4,1% das importações, numa lista liderada por Portugal com mais de 50% de quota.

Os projectos ligados ao mar são centrais à estratégia de diversificação económica, e em particular o da futura Zona Especial de Economia Marítima (ZEEM) de São Vicente, a primeira estrutura do género, com vocação marítima, criada com apoio da China nos países lusófonos.

Durante uma recente visita à ilha, na companhia do embaixador da China, o chefe do governo de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, adiantou que o projecto integrado prevê oferta de transportes marítimos, operações portuárias, pesca, serviços especializados de apoio logístico, bem como turismo, ciência e educação especializada no sector do mar.

“Eu não tenho dúvidas de que encontrámos a solução e a partir daqui podemos fazer toda a diferença numa perspectiva de médio e longo prazo, para conseguirmos pôr a economia a funcionar e a crescer, gerando emprego e rendimento, criando oportunidades de investimentos para os empresários e conseguindo a felicidade das pessoas”, afirmou Correia e Silva.

Em curso, referiu, está a elaboração do estudo de viabilidade, com base na concepção inicial da parte do governo, sendo objectivo que o projecto esteja operacional até final da actual legislatura, dentro de pouco mais de três anos.

O Ministério da Economia Marítima de Cabo Verde tem, por iniciativa do Governo, sede na cidade do Mindelo, a mais populosa da ilha de São Vicente.

José Gonçalves, ministro, que tutela dois ministérios, Economia Marítima, com sede em São Vicente, e Turismo e Transportes, na capital, acompanhou recentemente a visita de uma delegação empresarial da China àquela ilha, tendo afirmado no final que os representantes da empresa chinesa Shandong Hi-Speed Group Co. manifestaram “enorme interesse” em participar no desenvolvimento da ZEEM. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH